(Foto: Pri Ferraz)

Nem a falta e nem o excesso: a perfeição mora no equilíbrio. É em busca dele que vivemos e é sobre isso que fala a Temperança.

Sobre a mesa, esta carta nos convida a balancear cuidadosamente as polaridades da vida, levando o dia a dia sem exageros e nem escassez, para que possamos viver bem. Trata-se do famoso “caminho do meio”, no qual andamos entre o fogo e a água, entre a emoção e a mente, entre o instinto e a lógica.

O equilíbrio proposto pela Temperança está visível, inclusive, em suas ilustrações. Todos os elementos expostos na carta estão pareados: o Céu e a Terra (representados pela águia e o leão) e o Fogo e Água (na tocha e no vaso) são guiados por uma mulher que possui, diante de si, um caldeirão com o símbolo de Marte, remetendo ao sexo masculino.

Não confunda, no entanto, a busca por equilíbrio e estabilidade com comodismo e monotonia. A Temperança é um caminho estimulante, é movimento e é, de fato, tempero para a vida. O objetivo aqui é justamente a reciprocidade entre tranquilidade e agitação em nossas atitudes e pensamentos.

A Malagueta é um dos símbolos desta carta porque, apesar da sua ardência intensa e sabor marcante, essa pimenta possui propriedades bastante curativas e substâncias restauradoras para o corpo humano. Daí, a importância de conhecer e explorar os dois lados de uma mesma realidade.

Parece simples, mas na prática nem sempre é fácil. O desafio está em, por exemplo, ter esperança sem se iludir; ser realista sem pender para o pessimismo; pensar em si mesmo sem ser egoísta; valorizar-se sem ser arrogante; e por aí vai.

Lembre-se: quando a vida estiver um vinho muito forte, adicione água. Deixe seus efeitos mais amenos, mas nunca os corte por inteiro. Sinta o gosto dela. E que seja saborosa.

Medite sobre a carta para entendê-la por completo


1. Vá para um lugar tranquilo e se acomode de maneira confortável;
2. Feche os olhos por 5min, imagine-se uma peça de ferro e que a base do seu aço precisa ser temperada para adquirir força;
3. Você será incandescido, malhado na bigorna e esbraseado;
4. De tempos em tempos, você é introduzido e esfriado na água;
5. Após essas experiências antagônicas, você emerge com impurezas eliminadas, forte e brilhante.