Em uma floresta densa, uma mulher dança ao redor de uma fogueira. Ela está nua, em pleno espírito, e seus passos são espontâneos. Aquelas chamas para as quais ela dança são sagradas, purificam e restauram seu ser. O vento que sopra em seus ouvidos é quem ressoa a música e dita o ritmo. A chuva miúda que cai do céu a eleva às alturas, enquanto a areia úmida sob seus pés descalços conecta suas raízes ao chão.

Em um mundo tão agitado, algumas mulheres desaceleram seus passos e caminham em busca da harmonização e integração com a natureza. Além dos seus ancestrais biológicos, elas também são filhas da mãe Terra e do pai Céu; netas da vovó Lua e do avô Sol; irmãs das árvores, das flores, das pedras e das criaturas.

Elas reverenciam os quatro elementos, pois eles as inspiram e as curam. Sua força feminina vem do poder do Fogo, da leveza do Ar, da fluidez da Água e da fertilidade da Terra. Essas mulheres também abraçam as estações e seus dons cíclicos, e são gratas pelos presentes oferecidos por cada período. Em retorno, a Natureza as cobre de bênçãos.

Honrar toda forma de vida à volta é lei delas, afinal, cada ser vivo é um mestre e um possível amigo. Sim, os corações e sentidos dessas fêmeas são sensíveis e abertos. E, desta forma, procuram absorver ensinamentos, e dar e receber amor incondicionalmente.

São mulheres que, em nível terreno, tentam se desdobrar em um estilo de vida mais natural, baseado na linguagem da bondade e do respeito. Enquanto que, no plano espiritual, a jornada rumo ao crescimento e à elevação do “Eu” maior é contínua.

Elas são feiticeiras cheias de amuletos, são curandeiras repletas de amor, são bailarinas do Universo. Nelas, existe uma velha anciã conselheira e uma donzela que floresce sempre mais a cada dia. Em cada uma, uma alma antiga brinca com um espírito jovem.

Essa mulher é uma Bruxa.

Esta é sua floresta interna.

Ser uma Bruxa não é usar um chapéu pontudo, ter uma risada macabra ou fazer pactos satânicos. Bruxas são mulheres da Natureza, elementais e intuitivas. E o que há de feio ou mal nisso? É tempo de deixar esses estereótipos populares, negativos e Hollywoodianos para trás.

Porque a bruxaria – embora o nome possa assustar – é, na verdade, um caminho espiritual e amoroso. Uma Bruxa, assim como você, é sagrada… Ora, já parou para pensar que você pode ter muito mais características de Bruxa do que imaginava?

“A Bruxa que habita em mim saúda e reverencia a Bruxa que habita em ti”.
Seja bem-vinda!

Paz e Luz!